sábado, 7 de fevereiro de 2009

Anita...

Foi numa tarde bucólica que conheci Anita,
Lembro-me como se fosse agora, jovem e bonita...
Vestida de chita, cheia de sardas e de tranças,
Ficava nos bailes, entretida...espiando as danças...

A moça era de uma jovialidade sem igual,
Era tão inocente, não se distinguia o bem e o mal;
Tímida...de olhos emocionados...donzela faceira,
Que em matéria de energia, aos velhos dá canseira...

Aos 20 anos, tudo mudou...
Voltei a rever Anita..Morava num puteiro, toda carcomida.
Tuas madeixas cintilantes, agora eram cãs...
Nos lábios mirrados, resquícios do batom barato.

Custei a acreditar...Anita era puta velha,
À vista dos granfinos, valia menos que as chagas de uma cadela...
Sorria com dentes amarelados pelo cigarro...
Transava por migalhas...trocados...com velhos, doentes e casados...

Tinha o sexo esquálido...Os sonhos de amor..um a um enterrados.
A honra rompida...e terminantemente perdida...
E para acabar, de orgulho e altivez...falida.

Maraísa Bovary

4 comentários:

"A Moça que Sonha: A Louca." disse...

Eu tiro o chapéu pra esse..amo demais...
Demais...demais..

Giu Missel disse...

rsrsrs...
Tua Anita é linda, Srta. Bovary.

Alexandre Spinelli disse...

Que dor...
Parabéns

Lucas de Oliveira disse...

=)