terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Sobra

Não pensa nu mundo
Feito fruta descascada
Que aguarda ser comida.

Em vez disso
Meta saliva nas feridas
Das ruas sem saída
Que te levam à cama do quarto.

Vanglorie-se dos problemas
Como fonte inesgotável de riquezas
Super-fulas! Adoráveis.

Crie um altar
E contemple o caos da vida
Como ao nascimento
De um transa despretensiosa

E espera em segredo
Um dia transparente
Onde o mais ridículo dos atos
Possam te transformar em orgulho
De ser odor nas palavras.

Bruno...

5 comentários:

Alexandre Spinelli disse...

Bruno, muito bom este poema... principalmente o final dele... gostei muito da última estrofe.
Abraço!

Moniquinha disse...

Ah, gostei muito desse...uma linguagem felina, ácida...eu gosto.

bjs Bruno!

Lucas de Oliveira disse...

Cheio de imagens imprevisíveis! Gostei muito!

"A Moça que Sonha: A Louca." disse...

Parece que foi pra mim....
xD
"Meta saliva nas feridas.."
A imagem que mais gostei.

O poema está perfeito.

Giu Missel disse...

UM dos meus preferidos do Bruno, mto bom!