sábado, 14 de fevereiro de 2009

Monólogo entre nós dois

Vivo aprisionado na solidão da minha alma,
Amor, a única coisa que consegue a minha calma,
Não consigo nunca um dia alcançá-lo,
Porque nunca consigo ouvir o que falo.

Meus olhos não conseguem mais te ver,
Em tua direção meu pensamento caminha,
Neste elo misterioso que existe entre eu e você,
Nem sei mais que alma é a minha.

Ah! Como gostaria de estar ao teu lado,
Acariciar os teus cabelos, dar-te beijos,
Conseguir realizar todos os teus desejos,
Uma única vez conseguido ter te abraçado.

Como posso um misero dia ser forte,
Colocar todo o meu sangue em uma odre,
Retalhar esta minha carne podre,
Não viver mais procurando a morte.

Diz agora como vou embora,
Já que meus pés não são mais meus,
Já que meus sentimentos são todos teus,
Diz-me Luana, como eu vou embora?

Augusto Cerberus

7 comentários:

...^^... TaTi - Um Pedacim ...^^... disse...

' como eu vou embora'

- quanta música.

"A Moça que Sonha: A Louca." disse...

Podiam ter corrigido o "errinho" dele, a falta de pontuação.
Fora isso, já comentei, é particular, e é lindo.

Beijo Cerberus.

Ingrid Regina disse...

Já que meus sentimentos são todos teus,
Diz-me Luana, como eu vou embora.

todos teus...

é lindo por ser pessoal, por ser interno. por ser um dialogo extenso em solidão.

adoro.

Giu Missel disse...

Augusto, impressão minha, ou anda sumido. Adorei esse poema, o final ficou mto bonito!

Diz-me Luana, como eu vou embora?

lindo!

Giu Missel disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
O Barraco disse...

Mara,percebi, mas acabei esquecendo na hora de postar da correção. Peço, por gentileza, q avisem pelo scrap, eventuais erros de postagens no blog.Assim fica mais ágil e garente a correção.
bjos

"A Moça que Sonha: A Louca." disse...

Valeu.