terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Serenata

Havia
doses de rimas
angústias
pesares
Falava da vida
do tédio
da dúvida...
com jeito de serenata
Havia frases malditas
e outras tantas amargas

Ah! As imagens...
O Diabo parecia
um menino
nos braços da valsa.

Despertei,
com a pergunta
seguida da pausa,

- Você entendeu?
- Nada!...

Estava escutando
a melodia das
tuas palavras.

Giulliana Missel

8 comentários:

Iriene Borges disse...

ah, esse me faz viajar...

Alexandre Spinelli disse...

Ah... já comentei esta poesia em outros lugares... é linda... é ótimo ouvir a melodia das tuas palavras...
Beijos...todos...

Pedro B. disse...

lindo

Eric disse...

Espetacular. Tua poesia me encanta, Giu. E a valsa, ah, nem se fala. Lindo.

Rogério disse...

É um poema tão elegante que merecia usar chapéu.

O esconderijo do Pinico disse...

esse é lindo!

envolvente

João Diniz disse...

Lindo Giu...Adorei!

Beijos!

Lucas de Oliveira disse...

amável... inevitavelmente.